05 razões que tornam o papel do profissional de governança estratégico nas organizações

Publicado em 22 de Março de 2021

Profissional de Governança Corporativa Profissional de Governança Corporativa

O profissional de governança é aquele que está na linha de frente dos trabalhos que envolvem o Conselho de Administração e os demais colegiados de governança.

Ele possui diversas responsabilidades, desde a preparação das reuniões desses colegiados até, em alguns casos, a coordenação do processo de avaliação do Conselho de Administração, Comitês e de seus membros. Sem exagero, esse profissional pode ser comparado ao regente de uma orquestra. Uma de suas principais atribuições é fazer com que a estrutura de governança funcione da melhor forma possível, com alinhamento interno e foco nos interesses estratégicos da organização.

Ele deve ser um bom intermediador de demandas e interesses dentro e, se for preciso, fora da organização. Por isso, o seu papel é estratégico, pois é necessário que ele esteja atualizado sobre os temas que devem ser tratados com prioridade pela alta administração. Portanto, o Conselho de Administração deve tê-lo como um parceiro no objetivo de construir um modelo de governança que funcione adequadamente, principalmente para se ter processos de tomada de decisão da melhor qualidade.

A seguir, conheça cinco (05) razões que tornam o papel do profissional de governança estratégico nas organizações:

01. Por conhecer bem o sistema de governança da organização, este profissional deve conduzir os trabalhos de transformação digital da governança e atuar junto ao Conselho de Administração, para garantir o engajamento de conselheiros e demais membros de outros colegiados neste processo;

02. A gestão de demandas dos stakeholders (partes interessadas na empresa, como: acionistas, funcionários, clientes, fornecedores etc.) é uma questão muito importante para as organizações. Muitas dessas demandas precisam ser levadas em consideração nas decisões estratégicas do Conselho e da Diretoria. O profissional de governança é o mais indicado para endereçar melhor essas demandas em níveis superiores, de acordo com as políticas organizacionais e os interesses estratégicos da organização;

03. A estrutura de governança tende a funcionar melhor se houver a liderança de um profissional dedicado exclusivamente a esta função. O profissional de governança deve atuar como o regente de uma orquestra, com o objetivo de garantir o alinhamento de trabalho e processos entre os colegiados em benefício de toda a organização;

04. O Conselho de Administração é o principal órgão de governança de uma organização. A sua avaliação de desempenho e a dos conselheiros devem ser realizadas periodicamente. O profissional de governança tem um papel fundamental na coordenação desse processo e, se precisar, na argumentação e demonstração dos benefícios dessa avaliação;

05. As reuniões do Conselho de Administração são muito importantes, pois nelas são tomadas as principais decisões estratégicas que definirão o futuro da organização. Por isso, a atuação do profissional de governança pode ir além de preparar e secretariar uma reunião. Se necessário, ele pode participar das reuniões com observações e até mesmo questionamentos sobre o andamento das discussões, especialmente se envolverem aspectos de dinâmica e governança.  

Estas responsabilidades mostram que o papel do profissional de governança não deve ser meramente operacional ou de um simples secretário. Sua existência na organização precisa ser entendida como fundamental para que a engrenagem dos processos decisórios e de governança funcione adequadamente e sempre em sintonia com os objetivos estratégicos da organização.

 

Publicado por Paulo Lima | Editado por Luiz Gustavo Anjos